segunda-feira, julho 05, 2010

Nem tão bela, nem tão fera...apenas normal !!!


Já é sabido por muitos que me conhecem de que "Beauty and the Beast" (A Bela e a Fera) é o meu musical e desenho Disney preferidos. Desde que assisti na Broadway quando eu tinha 15 anos me apeguei de forma a decorar todas as músicas, falas, cenas, e como boa pisciana sonhar que sou a Bela, mesmo porque sempre me identifiquei muito com ela.

A Bela é uma princesa diferente, mesmo porque ela não é uma princesa, é uma garota de classe média que vive em uma província. Ela não tem super poderes, não é vítima de nenhum feitiço fantasioso, ela apenas não se encaixa naquela província por pensar além, por ler livros e viajar em suas idéias e pensamentos, por sonhar com algo mais do que as pessoas em volta planejam, com fronteiras maiores, com homens mais educados e maduros do que o bonitão local que tem um bando de mulherzinha babando, com uma vida além de um casamento sem amor em que seja a dona de casa exemplar aos olhos da sociedade. E, a fim de salvar seu pai, aprisionado pela Fera, ela se dispõe a ficar em seu lugar, mesmo porque pra ela ficar presa na província ou na masmorra não faria muita diferença, ela já vivia muito sozinha mesmo, só sentiria muita falta do pai, que era o que realmente lhe importava.

O video que coloco neste post é o que eu mais amo (e me identifico), pois muito se fala sobre a música principal deste musical, mas toda a trilha é fantástica...e lembrei particularmente desta música hoje porque resgatei meus sentimentos de Bela...a música começa com "Little town it's a quiet village, everyday like the one before, little town full of little people, waking up to say Bon Jour..." (Pequena cidade, um vilarejo quieto, todos os dias como o dia anterior, pequena cidade cheia de pequenas pessoas, acordando pra dizer Bom Dia...) e é o que sinto todas as manhãs...entre outras frases como "never part of any crowd" (nunca é parte de nenhum grupo) e "there must be more than this provintial life" (deve haver algo além desta vida provinciana).

Voltar pra "província" é uma delícia em termos de qualidade de vida e de família, mas é muito difícil encarar a realidade das diferenças culturais e de experiência de vida. No geral as pessoas da minha idade estão casadas com filhos e vivendo uma realidade muito diferente da minha, ou estão acomodadas a um cotidiano de festas e "futilidades" que não me preenche mais, e as pessoas mais novas ainda têm muito o que aprender e viver para que eu desenvolva uma admiração e um relacionamento mais forte, me sobram as mais velhas, com quem sempre me dei melhor mesmo...enfim, claro que há exceções (se encontrarem me avisem por favor...ahahaha), mas eu às vezes me sinto sozinha, um peixe fora d'água, sem companhia para um jantar entre amigos, cineminha, teatro, ou até mesmo uma baladinha, como eu tinha em SP com pessoas queridas e na mesma sintonia que eu....onde podíamos tomar champagne e falar de Paris, Londres e NYC sem parecer arrogante ou querer mostrar para os outros, onde paquerávamos sem saber o sobrenome ou o carro que ele tem, e muito menos com quem ele já namorou ou sai frequentemente, se corro o risco de levar "tijolada" no carro (ahahaha sério isso!), onde consigo alternar entre espetáculos em cartaz, futilidades da TV aberta e desafios corporativos, onde pouco me importava com quem não conheço e o que pensavam de mim, enfim, sinto falta de uma vida adulta e madura de uma mulher de 31 anos solteira, independente, com muita bagagem cultural para compartilhar e muitos planos grandiosos a executar.

E assim como Bela eu sigo procurando amizade entre pratos, xícaras e bules...na esperança deles me entenderem, e de repente até aparecer uma fera sem coração peludo, e que se revele muito mais gente que qualquer outra pessoa de pensamento provinciano...

Beijos dançantes ao som deste musical lindo...eu recomendo !!!

Um comentário:

  1. Um minuto de silêncio para este post,me sinto igual blaster mega!beijo,vc nao ta sozinha!

    ResponderExcluir